Planejamento financeiro

15 set Planejamento financeiro

Aí vão dicas de como você pode se preparar, através do planejamento financeiro:

  • Primeiro de tudo: defina o montante que você está disposto a investir, lembrando que isso carimba o estilo da sua viagem. Sugerimos aqui bloquear também um valor que lhe deixe confortável para o retorno ao Brasil.
  • Estabeleça uma meta mensal de economia e persiga mês a mês. Abaixo, abrimos os custos reais daqui de casa nos últimos 2 anos de planejamento. Não incluímos gastos com cartão de crédito e nem salários, porque, definitivamente, não existe um modelo ideal a ser seguido. Já falamos anteriormente no post Entenda o raciocínio da viagem que o esforço financeiro depende do estilo de viagem que você quer. 

 

ITEM Valor/mês
Aluguel 1700,00
Condomínio 747,00
IPTU 68,00
Luz 150,00
Gás 43,00
Tv a cabo 160,00
Internet 112,00
IPVA 92,00
Seguro carro 157,50
Combustível 600,00
Celulares 360,00
Diarista 400,00
Cartão de crédito  ?
Subtotal 4.589,50
Salários ?
Meta (Salários menos Subtotal)  ?

 

  • No item cartão de crédito nós incluímos alimentação, lazer, roupas/sapatos, salão de beleza, estacionamentos e algum gasto ocasional como  presentes de casamento e aniversário. Esse é o grande vilão que deve ser consultado no site do seu banco toda semana (essa tarefa fica delegada a Samir, eu não tenho essa disciplina, fato). Esse também é o único gasto variável que você pode controlar, portanto vá atualizando e analisando até onde pode ir.
  • Para os gastos que são anuais como IPVA e seguro do carro, dividimos o montante por 12 e vamos economizando esse valor mês a mês ao longo do ano. Dessa forma, na data do vencimento você conta com descontos para pagamento à vista, além de se livrar de um alto desembolso ou e altas parcelas no cartão.
  • Dica importante: Planeje os programas de lazer nos finais de semana, aliando ao que pode gastar no mês. Sempre tivemos isso muito bem definido antes de sair de casa. Quando o mês apertava buscávamos programas alternativos aqui no RJ como um sambinha gratuito ao ar livre, correr na lagoa, ler um livro na praia e fazer trilhas espetaculares. Faz bem ao bolso e ao coração.
  • Reunião semanal com o seu parceiro (a) ou consigo memo (a) para atualizar a planilha e não ter surpresas ao fim do mês. Novamente, tarefa delegada ao engenheiro. Foi motivo de muitas brigas e DRs, mas hoje vejo o benefício. Sem isso, certamente não conseguiríamos embarcar nessa viagem. O diálogo é sempre a melhor opção. Quando os sonhos são comuns a coisa fica mais fácil.
  • Faça do post it seu melhor amigo. Grude vários no espelho do banheiro com mensagens do tipo “foco na viagem pelo mundo”. Funciona comigo. Samir acha maluquice mas cada um com sua filosofia, né?

 

Agora avalie o estilo de viagem que combina com você. Caso seja algo mais sofisticado e você não tenha condição de levantar a grana, talvez seja hora de começar a avaliar alternativas to raise the money:

  1. Redução de custos, urgente! Diminua o plano de celular, avalie a tv por assinatura, aprenda a cozinhar, reduza os gastos com restaurantes e cogite até ir para um aluguel mais em conta!
  2. Desapegue-se. Faça um bazar de roupas, sapatos, acessórios, artigos de decoração. Tire fotos legais e faça um grupo no whatsapp, é bem mais prático e barato. Assim aconteceu comigo e, ainda por cima, as friends se lavaram com preços bem em conta (R$30, R$40, R$60).
  3. Invista num vídeo bacana, use sua criatividade para tocar as pessoas e pesquise sobre o crowdfunding para levantar o dinheiro, é uma alternativa recente que tem realizado o sonho de muita gente por aí.

 

Galera, seguinte…não morar no Jardim Oceânico (região mais agradável e bem estruturada da Barra da Tijuca) e, em contrapartida, morar num região mais isolada, porém próxima ao trabalho, foi uma decisão nossa. Dividir um carro, também. Ter diarista uma única vez na semana foi abdicar de um enorme conforto. Cortar os gastos com roupitchas e sapatos foi terrível pra mim que amo moda. Os frequentes jantares com os amigos também foram colocados de escanteio várias vezes. Enfim, dissemos muitos nãos para nós mesmos e hoje podemos gritar um SIM maravilhoso. Pensem nisso e acreditem que dá. Não existe vitória sem esforço.

IMPORTANTE. Nós temos um propósito: viajar o mundo mexendo muito pouco nas reservas financeiras investidas aqui no Brasil. Deixamos uma economia equivalente a 3 anos vivendo uma vida digna de classe média, sem trabalhar e sem luxos e supérfluos, considerando a praça Salvador-Bahia. Ao retornarmos, ela nos proporcionará tempo. Tempo suficiente para nos restabelecermos.

Gastos com o primeiro ano – nov/2015 a nov/2016 

Agora podemos entrar no que nós já gastamos até então.

Viajar para Austrália até o momento nos custou R$47.974,00, sem incluir as passagens aéreas que conseguimos tirar por milhas.

  • Curso de inglês de Samir: R$18.683,00 (período de 6 meses)
  • Agência de turismo/vistos/exames: R$4.291,00
  • Dólares para nos manter em 3 meses: R$25.000,00

Pesquisando com amigos que vivem lá, tiramos uma média do custo de vida para duas pessoas: AUD$3.300,00/mês num excelente bairro para se morar. Isso inclui gastos com moradia, alimentação, transporte e lazer.

Fomos bem conservadores em estabelecer essa folga de 3 meses, supondo um cenário BEM difícil de não conseguirmos um trabalho para sustentar os custos nesse período. Mas as expectativas são positivas, diante das experiências dos muitos amigos que estão lá e dos relatos pesquisados em muitos blogs.

Metas para o primeiro ano 

Chegaremos no verão australiano, portanto nada melhor que Manly Beach, em Sydney, para arriarmos as malas.

Pela primeira vez na vida, vamos morar numa cidade de primeiro mundo juntos, com 3 metas já estabelecidas para este ano:

  1. Samir aprender a falar inglês.
  2. Manter a gestão financeira abaixo, que ajudará nas viagens de 2017.

 

Metas Austrália* Horas/Dia AUD$ por hora Dias trabalhados Total/mês
         
Emprego Bruna 4 AUD$ 20,00 22 AUD$ 1.760,00
Emprego Samir 4 AUD$ 20,00 22 AUD$ 1.760,00
Subtotal Receita       AUD$ 3.520,00
Custos fixos Sidney       AUD$ 3.300,00
         
Poupança no mês       AUD$ 220,00
Poupança no ano – 2016       AUD$ 3.288,00

 

* Nessa tabela, não inserimos ganhos com horas extras.

**Estimativa intermediária para quem não fala inglês. Apesar de eu falar, preferimos ser conservadores.

***Custos estimados conforme já dito mais em cima.

 

3. Conhecer a Indonésia, Fiji, Nova Zelândia e Tasmânia. Neste último, a ideia é fazermos um trabalho colaborativo numa fazenda orgânica, cujos donos são amigos de uma francesa muito gente boa que conhecemos aqui no Rio. Ajudaríamos, durante 6 horas, no plantio e colheita e em troca receberemos alimentação e hospedagem. O lugar é paradisíaco. Seria iradíssimo!

Abraçaço,

Bruna

5 Comments
  • Lara
    Posted at 19:14h, 22 setembro Responder

    E para conhecer esses lugares (Indonésia, Fiji, Nova Zelândia e Tasmânia)… Vocês tem mais ou menos um ideia de quanto gastarão?

    • Bruna Varjao
      Posted at 13:27h, 04 outubro Responder

      Lara, acabei não vendo esse seu comentário antes. Assim que eu tiver esse custo, te passo! Ainda não temos. Bjão

  • André
    Posted at 23:33h, 23 novembro Responder

    Vocês estão considerando os impostos em cima destes salários?

    • Bruna Varjao
      Posted at 23:49h, 24 novembro Responder

      André, nessa conta os impostos não estão considerados. Mesmo sendo international students, seremos taxados, mas os primeiros AU$18.200,00 que recebemos não são. É o que eles chamam aqui de “tax-free threshold”. O nosso próximo post vai falar sobre isso mais detalhadamente.

  • Mi Seixas
    Posted at 12:48h, 15 junho Responder

    Oi Bruna e Samir!

    Eu e meu noivo estamos em processo de pesquisa p/ fazer intercâmbio na Austrália e um amigo nos indicou o yesbefree. Amei, já li tudo, assisti os vídeos…esse post especialmente foi que nos deu uma noção mais clara dos custos e queria saber se vcs têm conseguido ficar dentro do planejamento até agora. Como estão nesse sentido? Obrigada por compartilhar tantas infos. Beijos!

Post A Comment